top of page

Mãe Migrante

Atualizado: 15 de jun. de 2022

Na foto ao lado, uma jovem mãe de 32 anos (Loren Thompson), cujo marido se fazia ausente (talvez em busca de emprego) e quatro filhos menores...

 

Por Edison Villela

Revisado por Adriana Rodrigues, Alceu Takao, Edison Villela, Frederico Alves, Marcus Salomão, Mariana Schurr e Ruth Souza.

Mãe Migrante (foto de Dorothea Lange, 1936)

Na foto ao lado, uma jovem mãe de 32 anos (Loren Thompson), cujo marido se fazia ausente (talvez em busca de emprego) e quatro filhos menores, entre eles, um bebê de colo, abrigadas sob uma tenda improvisada, em estilo meia-água, feita com pedaços de lona rota, sustentada por toscos galhos finos cortados. De estrutura precária, pouco os protegia do clima árido da primavera californiana. Nesse abrigo de terra batida, os Thompson, uma família tradicional de trabalhadores rurais migrantes, fugindo dos devastadores efeitos do Crash da Bolsa de 1929, procura amparar-se.


Compondo a cena fotográfica, observamos ainda a presença de alguns elementos importantes em sua composição: duas malas, uma delas deixando entrever parte do que restou de um outrora próspero e feliz, lembranças de uma vida que se foi, um caixote a servir de assento e uma vetusta cadeira de balanço; outra, fazia vezes de mesa a apoiar uma frigideira aparentemente vazia. Ao canto esquerdo, garrafas vazias esquecidas compunham o humilde cenário de uma família unida, marcada pela dor e pelo sofrimento, mas esperançosa por dias melhores.

41 visualizações0 comentário

Posts Relacionados

Ver tudo

Poema

Para que o poema lírico funcione como um eu-Deus, e reze sincero os erros de criação no paraíso, é necessário o intimismo único do sentimento, um pouco de misticismo porque somos brasileiros, um amor

Comments


bottom of page